27 junho 2011

Fogueiras de S João, uma tradição em Parambos 2011 (1)

 Vamos hoje mostrar uma reportagem elementar mas que muito nos dirá, sobre o S. João na nossa Aldeia:
As Fogueiras de S. João

 Primeiro uma peça fundamental, uma boa pinha, acesa claro, em local  apropriado, que deve ser próximos da casa que se quer defumar e onde os passeantes possam saltar.

  muito importante ainda, e essencial, é juntar todas as "ervas": Pinheiro, Trovisco, Belaluz, e Erbasca
 começa-se por por o Pinheiro, depois o Trovisco, a seguir a Erbasca e a Belaluz, esta hoje difícil de encontrar e por isso tem de se gastar de vagar para durar mais tempo, pois deve-se acrescentar à medida que vai ardendo e houver pessoal para saltar
 depois deixa-se arder lentamente de maneira que faça bastante fumo
 aprecia-se o fim  de tarde e vigia-se a fogueira
para que esteja em bom estado  de saltar
 pois quem passa não resiste

 neste caso, à fogueira da Jú.

 visitamos agora a fogueira da Adelaide, onde no final, o seu neto salta a primeira vez uma fogueira

 e neste caso mesmo tapando os olhos por causa do fumo está desde já entronizado nesta tradição e para o ano já o imaginamos a saltar por si como a pequena
 Ana Rita, que nos mostra agora a sua  Fogueira, na mítica Rua dos Quinteiros. Está eufórica de contente com a sua fogueira

 e desafia a todos que passam a saltar, o que ninguém se faz rogado

 e desafia o avô a saltar com ela
 e assim as tradições se vão passando de avós para netos e o espírito da festa popular se vai alimentando pela alegria que irradia deste conviver.
por hoje ficamos por aqui mas.....Continua....

At Ento

5 comentários:

Anónimo disse...

Li Malheiro.

É sempre muito bom manter a tradição.
Abraço, ripar-ansiães

at ento disse...

Olá Ripar-Ansiães.
o interessante, deve ter pensado Li Malheiro, é mesmo "ripar" aquele momento fotográfico que nem sequer estava a pensar... e pelo que vemos numa das fotos, ripar foi apanhado a saltar...
Ainda bem que tivemos acesso às Fotos.
Saudações com a nossa amizade.
At Ento

ZÉZA PEIXOTO disse...

Que saudades!!! belas tradiçoes que sempre ficaram na nossa memoria, e que nunca se deveriam perder. Por isso que com terras como a nossa e tantas outras, que alimentam o espirito de nao deixar morrer a nossa cultura e tradiçoes populares; a qual estamos todos orgulhosos de pertencer.

abraço amigo;
Zéza Peixoto

AAR disse...

Na fogueira da Rita, o que fica é a intenção porque de fogueira aquilo não tem nada, vê-se que aproveitaram os enfeites da procissão do Corpo de Deus para fazer a dita fogueira, nem pinheiro tinha que era o mais fácil de encontrar.

Helder Seixas disse...

Parabéns ao Blog pelas suas 150.000 visitas.

Um notável trabalho deste At ento, que não lhe escapa praticamente nada.


saudaçõe de amizade,

Hedlder Seixas