17 setembro 2019

Agosto 2019, a Noite dos Bombos, a Arruada e a "ronda do Pau" (3)

vamos continuara a seguir aqui, passa a passo a arruada da milenar ( convém não esquecer que já ultrapassou o milénio de 1900 para 2000)  Noite dos Bombos. neste capitulo,  Para ver o capitulo anterior clique aqui vamos chegar ao Adro e ver a primeira performance  que a todos contagiou. vamos ver/rever...

 a onda de bombistas, emergindo das brumas da noite,  alaga rua acima e chega ao Cimo do Povo e vira para o Adro da Igreja... 
 
 ... local privilegiado de reunião do Povo que aguarda este bombar que só acontece uma vez em cada ano o e é Hoje!
 
 os bombistas tomam cinta do espaço e o seu bombar atroa na nossa galáxia, a nuvem de Magalhães que daqui se avista e até à galáxia mais próxima... o Diabo que se cuide
 
 pois ele sabe que não ver ter descanso nem sossegado estará em qualquer lugar, pois a miudagem vai levar o desassossego a todo o lado


 há sempre um toque de comando, daí e expressão a "Toque de caixa"  que dá o ritmo
 mas logo entra o Bombo para enquadrar 
 e depois a miudagem toma conta do bombar
 
 e aí vai ao seu ritmo a fazer soar as bombadas endiabradas
 os adultos não querem dar parte de fracos e vão na onda e todos rejuvenescem e voltam aios tempos da infância em que se "cerrava a velha" para desinquietar
  
 e este ano houve bombistas de 24 meses aos 99, o que garante que a tradição é mesmo assim, ninguém dorme nesta noite
 
 vamos rodar e fixar esta roda que bomba com o brilho no olhar
 
 e todos juntos a bombar, fazem este noite ser a maior
 que há-de ficar no olhar e na memória de quem aqui está
 e será como sempre uma inesquecível noite que vai dar energias para todo o ano
 pois o futuro promete e cresce sempre que se repete
 e mesmo sentado enquanto se espera a partida para a arruada, o futuro não dorme, aguarda e acerta a batida
 e o "Pau" que encarou o diabo continua a passar de mão em mão para assinalar o tempo de avançar
 a arruada geral vai começar
continua...
 At Ento/ViverParambos

12 setembro 2019

a 11ª Memorável Caminhada aconteceu fazendo história com os caminhos (4)

vamos ver/rever mais uns momentos da Memorável Caminhada na sua edição 11 que percorreu parte do perímetro da freguesia de Parambos, neste capitulo partimos da Castareja para a Veiga...  para ver o capitulo anterior clique aqui.  

homenageamos estes eucaliptos majestosos pala sua longevidade e imponência.

 continuamos pelos montes da Castareja e do Murancho, era meia manhã e a caminhada aproximava-se da metade  do percurso
 continuava a ser uma manhã fresca sem sol o que era bastante agradável
 e a boa disposição da malta mais nova era contagiante, era sinal de que não era cansativo caminhar apenas era bom estar aqui a cumprir os passos desta caminhada

 na Veiga entramos no caminho entre  vinhas que nos vai levar ao Castanheiro
 um caminho sereno com uma vista fabulosa sobre o Vale de Ribalonga de onde se descobre a letra R que dá o nome a Ribalonga, não se mostra aqui para quem quiser conformar tem mesmo de passar por aqui
 um momento de registo com Caminheiros que cresceram nestas caminhadas desde a primeira e noutras pelo Rio Tua.
 e depois ali na quinta da Lavandeira, os majestosos eucaliptos que ali crescem há uma imensidade de anos e tem um porte grandiosos que não deixa ninguém indiferente 
 foi lindo de ver as manifestações das pessoas que aqui passavam pela primeira vez e manifestavam o respeito por tais árvores
 
 e há momentos que não basta levá-los na memória, em foto e aqui ficam muito bem para recordarmos amigos que vem de longe para estar e descobrir e valorizar esta coisas naturais e de importância patrimonial
 e para que conste fica o registo da passagem e da atenção dada e que fica como recordação boa desta Caminhada
 
 seguimos por entre olivais, onda a azeitona ainda não está presta, mas a conversa é como as cerejas e o caminho parece mensso longo com uma boa história
 e no Castanheiro, paramos para agrupar e repor energias, à sombra da parreira
 
 aqui houve um ritual de troca de Paus e da boina, elementos que são espirito do caminho
 
 e os Paus puxam os Caminheiros caminho cima... vamos subir até ao Vale
 continuamos a ver mas margens do caminho as oliveiras e a videiras
 
 e o pó do caminho de terra batida que dá um certo enlevo ao caminhar, por vezes parece uma nuvem seca que nos ajuda a andar
 
 e lá vamos subindo passo a passo com histórias de verde esperança
 e a onda ganha balanço e aparece como se começasse agora e sobe que sobe
 depressa chegamos ao Vale e está feito três partes do Percurso

ao chegar ao Vale olha-se para o que se andou e depois... vamos subir....
continua...
At Ent0/ViverParambos