12 março 2007

Particularidades que se cumprem, em Parambos, nos tempos da Quaresma

Hoje vamos começar a falar de particularidades que acontecem em Parambos durante a Quaresma.

O "cantar das almas", ou mais propriamente “incomodar” as almas vivas que dormem o sono dos justos, acordando-as para pensar na morte, ou nas pessoas que já morreram.

dizem-nos que o correcto é Encomendação das Almas.

Remonta a um tempo que sempre existiu pelas nossas terras, pois já os nossos pais diziam que os seus pais o faziam.


Acordai se estais dormindo.

No descanso em que estais.

Lembrai-vos que no outro mundo

Tendes vossa mãe e vosso pai.

Acontecia no silêncio da noite e tinha de acabar antes da meia-noite. Pois essa hora era má. As pessoas que se dedicavam a esse canto faziam-no na "obrigação/devoção" de despertar as consciências e desta forma os comuns mortais eram acordados, dos seus sonhos, por cânticos lúgubres que ecoavam no escuro e que lhes pedia que rezassem:

Rezai mais um padre-nosso.

À Senhora da Paixão.

Pelos que no outro mundo.

À espera dele estão.


Rezai mais um padre-nosso.

Ao Senhor da Boa Morte.

Para que no outro mundo

Às almas dê boa (melhor) sorte.


As pessoas juntavam-se No cimo da aldeia e aí começavam a cantar, depois iam descendo e ao avistar as capelas, da Senhora da Paixão no cimo de Arnal, ou a do senhor da Boa Morte no cimo de Castanheiro do Norte, entoavam mais um verso alusivo.


Hoje ainda se mantém a tradição e as pessoas, umas vezes mais outras vezes menos, juntam-se para que as memórias não se apaguem e cantam.


Este conjunto de fotos já pertence às memórias, pois são de algum tempo atrás. Quem conhece os actores cantores.
At Ento

19 comentários:

E-Bunny disse...

Olá querido amigo Atento,

aqui está um velho costume que também se pratica na minha aldeia! Aqui também lhe chamamos "Aumentar as Almas"...
É uma tradição que desde pequena me intimida...talvez pela seriedade dos intervenientes, maioritariamente trajados de preto, ou por ter lugar durante a noite! Aquelas vozes ecoando no silêncio da noite...confesso que me deixavam apreensiva!
Agora é um costume que respeito e a que assisto sempre que posso...faz parte do meu imaginário e espero que nunca caia em desuso!

Obrigada, querido amigo, por mais este reviver e recordar!

Saudações Aumentadas

E-Bunny

sofia m disse...

Esta é uma das tradições que cimentam o nossa pertença a uma comunidade especial, de que nos orgulhamos. Lembrar os que já partiram é muitas vezes difícil, mas também nos ajuda a pôr os pés no chão (e a alma nas estrelas...).

Anónimo disse...

Este cantar é a "encomendação das almas"?

Atento disse...

Olá Cara Amiga E-Bunny.
Pelos vistos esta tradição é nacional e vejo que lhe dão um nome diverso "Aumentar as Almas" por cá, como muito bem me corrigiram, o termo correcto é "Encomendação das Almas" que vulgarmente os mais novos dizem "logo vamos Cantar as Almas". Não havia um traje especial, com se vê nas fotos que já foram tiradas vai para 17 anos, mas as nossa avós/mães iam geralmente de xaile escuro, pois as noites estavam frescas.
Para que não se perca é que nós recordamos.
Eram mesmo cantos de "intimidar" com boa intenção.
Saudações com amizade.
At Ento

Atento disse...

Olá Caro Anónimo.
Obrigado pela atenção e correcção, Já corrigimos,pois o termo é esse que nos indica.
Saudações. Atenntamente.
At Ento

Atento disse...

Olá Sofia M.
Tão belas palavras que definem correctamente o que nos gostariamos de ter dito.
Obrigado.
É esse mesmo sentimento do colectivo que nos dá identidade, e que nós pretendemos valorizar recordando esta tradição de um tempo que é nosso e que faz parte da nossa história.
"...nos ajuda a pôr os pés no chão (e a alma nas estrelas...)".
Saudações com amizade.
At Ento.

Anónimo disse...

ola atento, agora deixate-me triste. A ausencia da imagem adormece os nossos sentidos e depois... estas fotos.... trouxeram-me uma saudade muito grande de alguem que já partiu e de quem gostava muito. As fotos antigas têm esse efeito, seja pela saudade de alguem que já partiu seja pelo tempo vivido que já passou.
Um beijo
Sílvia Moura

Atento disse...

Olá Silvia Moura.
As recordações avivam as saudades.
Transforma essa tristeza saudosa em alegria espiritual pela voz da pessoa querida, senhora Cândida, que cantava tão bem e levava isto muito a sério. Pensa que ela gostava que estes cantares nunca acabassem, pois estava sempre pronta para as coisas da Igreja e da Comunidade. A Tua Avó merece esta lembrança.
Saudações com amizade.
At Ento

Blue Eyes disse...

Parece que estamos a ficar velhos...essas fotos já devem ter "uns bons aninhos"! Essa tradição ainda se mantém?

Atento disse...

Olá Blue Eyes.
Mais experientes, pois o tempo passa e nós aprendemos a recordar o tempo noutros tempos, esta é a capacidade humana.
Vão para aí uns 17 anitos sobre este acontecimento.
Saudações com amizade.
At Ento

KARPEIX disse...

Olá Atento, tu mesmo o dizes, a minha avó esteve sempre pronta varios anos para ajudar em tudo que fosse relacionado com a igreja, juntamente com a sra. Luisa.
Lembro-me quando eu era miudo de ajudar a minha avó nos arranjos da igreja, ou tambem de servir o vinho ao sr.padre nas missas, depois sendo eu o suçessor do sr.Zeferino, sempre que havia missas, batizados ou funerais, lá ia eu a tocar os sinos, ...porque gostava mas tambem porque a minha avó me dava 100 escudos, ...que eu trocava rápidamente por uma coca cola e um pacote de batatas fritas (héhéhé).

Abraços para todos, e um beijo especial com muita saudade para a minha avó.

Atento disse...

Olá Karpeix.
Que bom teres essas recordações da pessoa que todos estimavamos, tua avó. A vida é assim e recordar as boas memórias é um direito que devemos mostrar aos mais novos e assim cumprimos o dever cívico de manter as nossas gentes e tradições ao alcance e para conhecimento de todos.
Saudações com amizade.
At Ento

Beto M. disse...

Obrigado amigo AtEnto por estas belas recordações fizestes-me lembrar velhos tempos da minha infância em que nesta altura em criança acompanhei esta tradição pelas ruas do nosso lindo Parambos com a nossa tão querida Laurinha cega que entoava tão bem o seu cantar de almas. Um abraço sempre amigo. Beto

Atento disse...

Olá Beto M.
Os velhos tempos que referes, são únicos porque se perderam vozes que só quem as ouviu as recorda e desse tempo não há fotografias, a Laurinha cega bem que merecia ser aqui recordada, ainda bem que falas-te nela, pois recordá-la é a homenagem possivel.
Saudações com a nossa amizade.
At Ento

JU disse...

FANTÁSTICO ALBUM DE RECORDAÇÕES.
COMO ALGUNS ERAM TÃO CATRAIOS E AGORAS SÃO TÃO ADULTOS.
FOI MUITO GRATO RECORDAR A ENCOMENDAÇÃO DAS ALMAS A QUE APENAS ASSISTI UMA VEZ E POR TER SIDO HÁ TANTOS ANOS, TRAZ UNA CERTA NOSTALGIA.

Atento disse...

Olá Ju.
Pois o tempo passa, é assim, mas dessa vez, este momento, não escapou à fotografia e assim podemos pará-lo para o recordar mais vezes. Aqui ficará para sempre disponivel em todo o mundo.
Esperamos que este ano se cumpra de novo esta tradição.
Saudações com amizade.
At Ento

Anónimo disse...

Foi uma agradável surpresa recordar este momento...Nunca tinha participado num evento cultural desta natureza,cuja finalidade é preservar a tradição local.Obrigada pelo belo exercicio de memória que nos proporcionaste.

Miguel disse...

Atento:

Aproveito esta mensagem para te felicitar pelo excelente BLOG, que vais mantendo sempre actualizado e com temas muito interessantes.

Relativamente à Encomendação das Almas, foi uma grande surpresa ver que estive presente, sinceramente não tinha qualquer tipo de memória.

É caso para dizer que já andas "Atento" há muito tempo :)

Um grande Abraço

Atento disse...

Olá Miguel.
As tuas palavras são deveras encorajadoras para continuarmos atentos às pequenas particularidades que hão-de fazer história mais tarde, e avivar as nossas memórias. Não te lembravas? vês! por vezes, andamos distraídos, mas nós cá estamos atentos.
Saudações com amizade.
Atentamente.
At Ento