20 julho 2009

Memorial da Nossa Gente (12)

Mais um momento de recordação no MEMORIAL da NOSSA GENTE, para manter a cadeia de boas lembranças.

Paramos um pouco aqui para ouvir sons, talvez! porque não? Se hoje aqui lembramos quem tão bem cantava, Avenida abaixo, de Parambos ao S. Pedro, as modinha da época, quem recorda faz favor de contar aos mais novos.




e outros momentos com história que muitos recordarão pessoalmente



e ainda momento de longa vida, centenária

e vida mais cedo interrompida

Todos os momentos são, porque o foram aqui, importantes para recordarmos e manter acesa a chama das memórias que eles nos despertam para que a história das gentes de Parambos se faça com Todos, e Todos temos mais para contar.



At Ento

8 comentários:

Clarinda disse...

Que saudade!
Clarinda

Eduardo disse...

Lambro-me do Sr Manuel Ribeiro, da Sra Dna Aninhas e do Carlos Trigo.
Do Edemiro Carvalho não me lembro mas segundo o relato da minha mãe este sim cantava muito bem, "metia muitos cantores de hoje num bolso".

Anónimo disse...

ola a todos

eu por min,penso que nosso amigo eduardo esta errado na segunda foto nao e o meu avo.
mas o sr moura

abraco com amizade para todos
christina

Anónimo disse...

O EDMIRO TROUXE-ME À MEMÓRIA O "BAILINHO DAS COUVES". QUEM SE LEMBRA? Bons velhos tempos ...

Clarinda disse...

Olá!
Desse não me lembro,mas recordo-me muito bem dos grandes bailes que ele fazia:eu era pequena,mas já gostava bem de dar ao pé.
Beijos,
Clarinda

eduardo disse...

A Cristina tem toda a razão, não é o seu avó mas sim o Sr Moura.

Desculpa Cristina e obrigado pela correcção.

at ento disse...

Olá Ju e Clarinda.
A modinha que falam começava com este verso.

"...Este bailinho
É das couves sim senhor
De bailar agarradinho
No quintal do meu amor..."

Uma modinha muito popular nesse tempo, Uma boa recordação nestes tempos de de uma voz que se fez ouvir por aí.
Saudações com a nossa amizade.
At Ento

Clarinda disse...

Olá!
Eu lembro-me muito bem de ele cantar. Não me lembro é do nome das canções que ele cantava. No entanto, essa também eu cantava.
Se as condições de vida tivessem sido outras, talvez o desfecho também o tivesse sido... mas, possivelmente, ninguém foge ao destino.
Clarinda