13 novembro 2007

Fornos Rurais e a sua função, nas terras de Parambos

Vamos hoje falar de Fornos Rurais que ainda se podem ver nas terras de Parambos e por todo o Norte de Portugal, quais torres de pedra, adormecidas e sonolentas, em que o musgo deixa ver o passar dos anos sem utilidade.



Antigamente estes Fornos eram de uma utilidade muito apreciada e quem os tinha era pessoa muito requisitada para os emprestar, pois eles eram fundamentais para que a despensa tivesse durante os frios Invernos provimentos.


Neles se secavam os Figos, pois na nossa terra o sol já não é suficiente, quando os figos maduram, para os secar. Por tal é era necessário recorrer aos fornos. Eram estes aquecidos com lenha miúda, giesta de preferência, depois de aquecidos eras as brasas retiradas, punha-se uma camada de palha no fundo e por cima desta os figos maduros, barrava-se a porta do forno com uma mistura de terra e cinza misturada com água e deixava-se assim de um dia para o outro. Assim os figos perdiam a sua água e ficavam secos. Eram depois metidos nas arcas e no Inverno adquiriam uma camada branca que os tornava doces e macios ao paladar.



Estes ainda estão verdes


Estes fornos eram apenas utilizados para este fim, secar figos. Funcionavam, depois das vindimas, durante uns 15 dias ou mais ininterruptamente e se vinham as chuvas mais cedo, as figueiras eram abanadas para os figos caírem e toca a secá-los pois Inverno sem figos era medonho.



Secavam-se os figos Brancos e os pretos e as "Cricas" uns pêssegos de abrir que se metiam juntamente com os figos e eram uma delicia muitos gostosa, daí o nome!
Hoje são uma recordação, mas já foram o sonho de fartura.
At Ento

9 comentários:

Anónimo disse...

Este sim é o nosso verdadeiro Parambos. Bons tempos esses do seca figos. O tempo volta para traz. Mais imagens destas neste blog para relembrar o passado e dar a conhecer aos mais novos as tradições da nossa terra, e não comentários do fracassado Sporting que nada diz para as tradições e costumes de Parambos, a não ser o nosso S.C. de Parambos essi sim tem a sua tradição dos jogos que realizavamos inter aldeias. Saudações Paramboenses.

JP disse...

Belas recordações; é verdade caro anonimo mais imagens como estas da nossa terra a que valorizam este blog. Uma coisa que ainda não vi aqui as imagens do nosso cabeço com as belas paisagens sobre a nossa aldeia e o Douro vinhateiro. É verdade caso não saibam já temos uma pequena capelinha em honra de N.S. de Assunção no lugar do cabeço.
É este um lugar digno da sua visita podendo-se ali maravilhar com a beleza das suas paisagens.

at ento disse...

Olá caro Anónimo.
De certeza que estas são e foram as nossas origens, "o nosso verdadeiro Parambos" para os mais novos sabemos que não é, pois não o viveram. Mas a memória é importante e por isso este cantinho privilegia, também e com relevo, a memória da pessoas e dos lugares, para quem quiser não esquecer ou saber como era.
Sobre o Sporting Clube de Parambos e a sua equipa mãe não se apagam SETENTA anos de uma Colectividade que foi esforço, de muita gente ao longo de gerações e, que é PARAMBOS, temos atletas que o são porque o SCPARAMBOS existe e lhes deu motivo para sonharem ser e foram-no. Isto é da história da nossa história e que muito tem engrandecido o nome da nossa terra. Há gente, tanta gente, em todos os lugar que conhecem PARAMBOS e viram em várias reportagens na Comunicação Social por ser a ALDEIA MAIS VERDE, isto é Clube, o nosso CLUBE.Isto é lindo e é nosso.
Saudações com verde amizade.
At Ento

at ento disse...

Olá Caro JP.
Pois é da Memória que aqui falamos muitas vezes e se fores ver no título PATRIMÓNIO PAISAGÍSTICO, esta no lado direito da página em "Etiquetas" Clica e verás o que já foi editado e que pelos vistos não viste. Como temos memória pomos no arquivo e é só clicar lá e rever sempre que quisermos.
No cabeço sempre foi o lugar em que, até Deus vinha para lá ouvir contar anedotas e conviver com os frequentadores deste belo espaço nas tainadas ao por de sol que são divinais, ou simples passeio de namoro, ou de observação da paisagem. Sempre foi um lugar de destreza e arrojo e pouco de oração, até as nossa avós quando nos pediam para lhe trazermos a água Santa, lhe reluziam os olhos a pensar nas malandrices que por lá os netos iam fazer. O cabeço tem a sua história até aos nosso dias sem capela, pois a Senhora já está bem servida em Vilas Boas, esperamos que não perca o lado lúdico de quem quer estar sossegadamente a ver o magnifico e majestoso espaço e fruir tal graça de poder estar ali tão perto do céu.
Saudações com amizade.
At Ento

Eduardo disse...

Ainda bem que existe o blog, por incrivel que vos possa parecer com tantos fornos que há na nossa bela Aldeia, nunca me tinha dado ao cuidado de saber qual a funçao deles.
Estamos sempre a aprender, obrigado at ento.

at ento disse...

Olá Eduardo.
Como diz e rifão:
"Aprender até morrer" ou "nunca é tarde para aprender"
Os fornos são uma lição de vida e utilidade que é bom sabermos, para valorizar este património que são.

Saudações com amizade.

At Ento

victor Marques disse...

Fantástico trabalho sobre os fornos espalhados pela nossa linda região.
Abraço amigo.
Victor Marques

victor Marques disse...

Coloque os figos numa rede e deixe-os ao ar e sol. Recolha-os sempre à noite e dispônha-os novamente no dia a seguir ao sol. Siga este processo até estarem no ponto.
Neste processo os bichitos dos figos fogem todos.
Depois dos figos estarem no ponto dê-lhes um escaldão em água a ferver. Escorra e quando estiverem bem escorridos e secos coloque-os em tabuleiros com panos de cozinha limpos por baixo. Leve-os para um sítio bem quente e cobra-os com umas redes fininhas (por causa de possíveis bicho que possam passar). Deve ser um sítio quente, porque no fundo vai servir de estufa. E deixe-os lá até estarem naquele ponto de passa.
Quando finalmente estão no tal ponto envolva-os em farinha de trigo e peneire para sair o excesso de farinha.
Está finalizado o processo de secagem dos figos. É só reservar e degustar esta maravilha.
Victor Marques

at ento disse...

Olá Victor Marques.
São mesmo pedaços de história com muita vida que agora estão por aí à espera do nosso olhar...
Saudações com a nossa amizade.
At Ento