12 abril 2008

Outro Miminho de Páscoa, Folar Doce, que se faz em Parambos

Voltamos à Páscoa, para falar do Folar Doce, que se faz por essa altura. Já tínhamos divulgado os Folares de Carne, mas estes são mais preguiçosos, ou dorminhocos, demoraram mais tempo a estar prontos.

Folar Doce, é um doce de eleição, que leva muitas voltas e é muito demorada a sua elaboração. Para levedar, fica horas no tendal, mais do dobro dos folares de carne, daí lhe chamarem "dorminhocos" e também por isso, nestes tempos de correrias, já não há paciência para os fazer, é por isso que já não os há em todas as casas, dominando assim ops folares de carne na época da Páscoa.




A receita é: farinha, ovos, açúcar, manteiga, casca de laranja, aguardente e muito trabalho.


É trabalhado com o sorriso de quem sabe fazer e sente o prazer de realizar tal tarefa de forma tradicional

Depois é posta a levedar, o que acontece com uma lentidão que exaspera os mais apressados.


Mas vale a pena esperar para ver como cresceram


Depois começa o ritual de enfornar. Nesta tarefa são precisas pelo menos cinco pessoas como vão ver: Uma para por a folha de couve, muito importante nos folares de Parambos.


Outra pessoa para trazer a massa do folar levedada e coloca-a sobre a folha de couve galega.



Outra pessoa passa ovo batido sobre o folar




Uma outra pessoa põe açúcar sobre o "ovo batido" que decora o folar, este toque é moderno, antigamente não se punha o açúcar por cima do folar, mas dá-lhe um ar mais doce e envolve mais um elemento nesta tarefa, é giro.
De seguida enforna-se. Esta tarefa é feita pela mestra pois tem a sua ciência no método de arrumar, lá dentro, de forma a que se rentabilize o espaço sem danificar os que já lá estão. Quando há pouca luz, como neste dia, é necessário mais outra pessoa para alumiar.


Depois é vê-los ficar com este aspecto apetitoso. Isto acontece muito rapidamente, para quem tanto tempo levou a levedar, mal entra no forno começa logo a corar, pode-se ver que os primeiros a entrar, mais lá ao fundo, já estão cobertos com um papel para os proteger e assim não ficarem queimados

O olhar enlevado de quem sabe e que observa o resultado do trabalho: Está bem parecido!? está bem cosido!? está pronto.




Assim a farinha, os ingredientes e as pessoas envolvidas deram o fruto que alimenta, agora, a nossa imaginação gustativa. Mas estavam deliiiiiiiiiiiiiiiiiiiiciosos.


At Ento

5 comentários:

daniel disse...

Se a ASAE vê estas imagens ainda vamos todos presos.
Inté,
Daniel

at ento disse...

olá Daniel.
Se A ASAE visualizar, esta belas imagens, vai mas é querer a receita ou a prova e a seguir contrata toda a equipa.
Inté com as nossas saudações.
At Ento

Helder Seixas disse...

Olá, ainda bem que "filho de peixe sabe nadar" e assim as tradições não se perdem em Parambos, a avaliar pelo excelente aspecto dos miminhos aqui mostrados.
Cumprimentos a todos,
Helder Seixas

Nair disse...

Os folares devem estar muito saborosos, é uma guloseima que eu aprecio muito e ainda me traz lembranças da Páscoa em Parambos. Além disso, se não me falha a memória, reconheço nessas imagens Maria Amélia e seu marido, meu primo.
Um abraço para todos do Brasil.
Nair.

Clarinda disse...

Estão mesmo de fazer crescer água na boca...
Lembro-me de ajudar a bater os ovos junto ao forno para ficarem quentinhos, mas não podiam cozer!
Já provei folares de várias localidades(mesmo transmontanas),mas nenhuns têm o sabor dos de Parambos.
São divinais!
Beijos